Entenda o conceito de microfranquias e como funcionam

6 minutos para ler

Já pensou em abrir um negócio por meio de uma franquia, mas esbarrou em um capital inicial que ia além da sua capacidade de investimento? Que tal conhecer as opções de microfranquias e descobrir que seu desejo ainda pode ser realizado?

Elas são opções que exigem um investimento inicial menor, mas que, mesmo assim, são capazes de entregar bons resultados. Para entender mais como elas funcionam e se essa alternativa é uma boa para você, prossiga com a leitura e veja tudo o que é necessário saber sobre esse tema.

O que são as microfranquias?

As microfranquias são modelos de negócio que funcionam de forma muito similar ao de franquias comuns, com a diferença de que exigem um investimento inicial menor. Como referência para o investimento máximo exigido por uma microfranquia, a Associação Brasileira de Franchising (ABF) leva em conta o equivalente a três vezes o PIB médio per capita anual.

Isso faz com o necessário para começar um negócio do gênero gire em torno de R$90 mil. No entanto, com alguma procura, é possível encontrar opções com exigências de valores iniciais menores que esse patamar.

Tal aspecto faz com que essa modalidade de negócio seja acessível a um grupo maior de pessoas que, muitas vezes, se viam impedidas em investir nesses empreendimentos por causa do investimento inicial exigido. Com isso, as microfranquias também podem se tornar a primeira forma de empreender para diversas pessoas.

Como elas funcionam?

Com a exceção do aspecto principal, que torna o investimento inicial para começar uma microfranquia menor, os outros pontos desse tipo de negócio não sofrem alterações significativas em relação às franquias tradicionais.

Logo, quem deseja abrir uma microfranquia deve procurar uma empresa franqueadora interessada em ter novas unidades e seguir as exigências que costumam ser comuns a esses acordos. Entre elas, pagamento de taxas pelo uso da marca e conhecimento sobre como o negócio deve ser conduzido e implementado.

Todas as microfranquias seguem o que está disposto na chamada Lei das Franquias, legislação que aponta quais são as obrigações de negócios do tipo no país. Ela estabelece diretrizes para o relacionamento entre franqueadores e franqueados, fundamentais para a prosperidade do empreendimento.

Quais as principais características das microfranquias?

Nem todas as microfranquias são iguais. De modo geral, elas podem ser divididas em dois grandes grupos: as puras e as mistas.

As puras são aquelas marcas concebidas para atuar com modelo de microfranquia, ou seja, que exigem aportes iniciais de até R$90 mil. Do outro lado, as microfranquias mistas trabalham tanto com o modelo que exige o padrão de investimento inicial menor quanto com alternativas que o superam.

Vale mencionar, também, as chamadas minifranquias. Embora elas não tenham uma definição oficial, costumam englobar empreendimentos com exigência de investimento inicial ainda menor, na faixa dos R$30 mil.

Muitas vezes, uma microfranquia pode ser operada sem a necessidade de contratação de outros funcionários ou mesmo sem um ponto de atendimento fixo. Nesse caso, o empreendedor trabalha de casa ou vai até o cliente, principalmente para atendimentos e entregas de porta a porta. Essa alternativa é muito comum para a prestação de serviços de reparos, por exemplo.

Embora quase sempre uma microfranquia apresente retornos menores que os modelos tradicionais de franqueamento, isso não é uma regra. Como um negócio tende a ter custos fixos e estruturas (como aluguel, fornecedores e colaboradores) menores, com planejamento e organização, é possível obter rendimentos satisfatórios, mesmo atuando em uma escala menor.

Além disso, com um investimento inicial menor, a tendência é de que o valor investido seja recuperado em um espaço de tempo consideravelmente mais curto. Isso não significa que seja simples investir em uma microfranquia e que não seja necessário tomar alguns cuidados.

Muito pelo contrário! Diante de algumas particularidades, muitas vezes, o nível de exigência para um planejamento satisfatório pode ser muito maior.

O que deve ser analisado?

O primeiro passo é avaliar o mercado e ver quais são as demandas que podem ser preenchidas por uma microfranquia, bem como encontrar empresas franqueadoras interessadas em expandir a atuação na sua região. Levar em conta seus gostos e aptidões pode ajudar nessa hora, mas não utilize isso como fator principal para a escolha.

Depois disso, será necessário procurar a franqueadora e cumprir as exigências listadas na chamada Circular de Oferta de Franquia (COF). Esse é o principal documento desse tipo de negócio e que antecede a assinatura do contrato entre as partes.

Dúvidas nesse estágio, ou em qualquer outro ponto do acordo, devem ser solucionadas com ajuda profissional. Do contrário, existe o risco de gerarem problemas desagradáveis no futuro, quando tudo estiver assinado.

Quais os bons exemplos de microfranquias existentes no Brasil?

Felizmente, o setor de microfranquia no Brasil é bastante amplo e diverso, com grande potencial de crescimento. Para se ter uma ideia, de acordo com dados da ABF, entre 2017 e 2018, os negócios classificados como microfranquia cresceram 8%, passando de 545 a 549 empresas.

Entre os segmentos que mais se destacam nesse levantamento estão saúde, beleza e bem-estar, alimentação e serviços educacionais. Abaixo, indicamos algumas dessas empresas.

Cacau Show

Com ampla presença na mídia por meio de anúncios, a loja de chocolates lidera o segmento no país e chama atenção pelas unidades com alto giro dos seus produtos. Isso pode ser interessante, de acordo com o perfil do investidor.

Água de Cheiro

Para quem tem interesse pelo setor de cosméticos e cuidados pessoais, a Água de Cheiro pode ser uma boa alternativa. A empresa conta com ampla experiência no mercado, atuando há mais de 40 anos com perfumaria de luxo.

Clube Turismo

As microfranquias também chamam a atenção no segmento de serviços. Prova disso é o Clube do Turismo, agência de viagens que existe desde 2003, de lá para cá, já abriu mais de 450 unidades pelo país.

Agora que você sabe o que são microfranquias, não deixe de considerar essa opção antes de investir em um empreendimento próprio. Principalmente se o seu capital inicial não for tão grande.

Continue aprendendo sobre o tema e entenda como uma consultoria de franchising pode ajudar você na jornada até o negócio próprio de sucesso!

Posts relacionados

Deixe um comentário