Entenda o que é e como funciona a formatação de franquias

17 minutos para ler

Fazer a empresa crescer é uma maneira de aumentar a robustez e os resultados da marca. Ao mesmo tempo, é importante que tudo seja feito de uma forma estruturada, de modo a evitar problemas com a segurança. Nesse processo, a formatação de franquias é uma excelente oportunidade.

Quando feita corretamente, ela permite que o negócio se torne robusto e se expanda de um jeito altamente estratégico. Esse primeiro passo é crucial para o sucesso no futuro e determina, inclusive, como a sua marca será vista.

Já que é preciso acertar nessa fase, veja tudo sobre a formatação de franquias e descubra como usá-la a favor do seu estabelecimento!

O que é a formatação de franquias?

O funcionamento de um empreendimento não é idêntico ao de uma franqueadora. A empresa “tradicional” tem uma estrutura única e centralizada, e a mesma gestão é a responsável por cuidar de todos os resultados.

Já na franquia é diferente. A marca expande-se rapidamente e a ramificação é o fator de maior importância. Quem deu início ao negócio já não é quem dá conta de tudo, por exemplo.

Paralelamente, o sucesso da rede depende da franqueadora — e vice-versa. Com isso, todos precisam trabalhar rumo ao mesmo objetivo.

Como entrar no mercado de franquias significa uma grande mudança de paradigma, é preciso que tudo seja bem planejado. Nesse sentido, surge a formatação de franquias. Basicamente, o processo consiste em uma estruturação de todas as etapas que são necessárias para fazer a transição.

A metodologia é completa e permite que a empresa esteja devidamente preparada para encarar as novas condições. Ela segue diversas fases e oferece uma visão concreta do potencial e de suas principais características. Portanto, ela atua como o ponto de partida para o processo de franqueamento de um empreendimento.

Transforme o seu negócio em uma franquia

Como a formatação de franquias funciona?

Para oferecer os resultados desejados, a formatação de franquia deve considerar todos os aspectos importantes do negócio. Ela tem que pensar nas características iniciais, diferenciais competitivos, bem como ter os olhos voltados para o futuro.

Como um mapa, o processo de formatação servirá como um guia diante das transformações. Para que isso seja viável, é fundamental que ela siga algumas etapas de elaboração.

Diagnóstico da situação atual

Tudo começa com um diagnóstico sobre a situação real da empresa. Faça uma análise de viabilidade e descubra quais são os resultados de vendas. Também é interessante pensar no fortalecimento de marca e como os processos são gerenciados no momento.

A ideia é refletir sobre o que o empreendimento oferece atualmente e se ele está preparado para se tornar uma franquia.

Quando o negócio não tem etapas claras ou falha no mapeamento de processos, por exemplo, a expansão para franquias provavelmente será prejudicada. Portanto, é indispensável verificar se, em primeiro lugar, a mudança de status é viável.

Alinhamento das expectativas

Por que você deseja que o negócio se torne uma franquia? Quais são os planos de expansão para os próximos anos? O que você espera obter a partir dessa decisão?

Essas são apenas algumas perguntas que precisam ser respondidas logo no começo da formatação de franquias. Elas são necessárias porque determinam qual é a sua preparação para o processo e, principalmente, quais são as motivações envolvidas.

Se o negócio está mal das pernas, com poucas vendas e muitas dívidas, não adianta se apoiar na expansão para franquias como a tábua de salvação. Da mesma forma, não é válido optar por esse recurso se você não acreditar que ele é, de fato, o melhor para o empreendimento. Portanto, alinhe as expectativas e reconheça qual é o papel dessa transformação.

Levantamento dos principais processos

Durante a jornada de conhecimento a respeito do negócio, uma das fases fundamentais é o reconhecimento de quais são os processos mais relevantes e como eles são executados. É o caso de verificar, por exemplo, como são feitas as gestões financeira e de marketing atualmente. As etapas têm dado certo? O que precisa ser mudado? Como os franqueados podem obter resultados melhores?

Também é o momento de avaliar pontos como os fornecedores, o processo de vendas e a estruturação sobre como o negócio executa as funções. Só será possível ter um bom marketing para franquias, por exemplo, se a empresa souber executar isso em sua realidade.

Mesmo assim, no começo não há certo ou errado e a intenção não é corrigir a forma de atuação do empreendimento. No lugar, há um interesse em entender melhor a estrutura de atuação e o que precisa ser replicado nas franquias.

Reconhecimento das vantagens competitivas

Para que o seu negócio se mantenha no mercado e seja escolhido pelos clientes, ele precisa ter algo a mais. É esse elemento que faz com que as pessoas decidam comprar na sua marca em vez de no concorrente — e é o que ajudará a garantir o sucesso dos futuros franqueados.

Portanto, é indispensável verificar quais são as vantagens competitivas. Se elas não estiverem na superfície, cave fundo para encontrar o que faz o negócio se destacar em relação aos outros. Quanto melhor for o entendimento, mais fácil é replicar o aspecto nas outras unidades.

Definição do nível de franqueabilidade

Depois de reconhecer as vantagens competitivas e as características de processo, é possível ter uma ideia clara sobre o nível de franqueabilidade. Ou seja, a formatação de franquias só poderá ter uma continuação se o seu negócio tiver a viabilidade necessária para funcionar nesse novo sistema.

Avalie, por exemplo, se há como criar uma rede homologada de franqueadores e se a qualidade pode ser padronizada em todas as unidades. Pense, também, no retorno financeiro e se a expansão da marca faz sentido para o segmento de atuação e para outros espaços para saber se a marca está pronta pra virar uma franquia.

Imagine uma empresa com um nome local, bem restrito e que atua com produtos locais tradicionais. Por maior que seja o sucesso atual, provavelmente ela não conseguirá se tornar uma franqueada porque a marca não fará sentido em outras cidades ou estados e a qualidade não poderá ser mantida. Nesse caso, a franqueabilidade é baixa e é preciso pensar em novas formas de obter o resultado.

Determinação de regras específicas

Caso haja o sinal verde para tornar a marca uma franquia, é o momento de estabelecer as regras importantes a respeito desse elemento. Mais à frente, você verá isso em detalhes, mas é preciso refletir sobre pontos como investimento inicial, taxa de royalties e de franquia, operações que devem ser replicadas e assim por diante.

Também é nessa etapa em que são definidas as políticas comerciais, de territorialidade e de concessão da marca. Assim, é possível ter uma visão clara e que pode ser executada pelos franqueados.

Estabelecimento do plano de expansão

Depois de decidir quais são as regras que devem ser seguidas, a formatação de franquias segue para o plano de expansão, propriamente dito. Ele determina várias abordagens, como a captação de novos interessados para a rede, as obrigações jurídicas e a padronização de diversas etapas.

Esse passo é uma união de todos os pontos anteriores e serve como o “mapa” pronto. Ele traz todas as questões necessárias para que o empreendimento faça a transição e se torne uma franqueadora de qualidade e bom desempenho.

Com a formatação finalizada, o negócio pode dar os próximos passos rumo ao desenvolvimento e à constituição de uma rede franqueada com êxito.

estratégia de expansão

Por que optar pela formatação de franquia?

Para ter sucesso na gestão de franquias, é fundamental começar com o pé direito. Sem o apoio desse processo, a etapa se torna muito mais complicada e menos estratégica. Portanto, a formatação age para consolidar um excelente desempenho.

Quando bem executada, o passo gera ótimos benefícios e favorece o alcance dos principais objetivos. Veja!

Garante a expansão do empreendimento

Ser o responsável por uma rede franqueadora significa, em primeiro lugar, tornar a marca conhecida, atuante e participativa no mercado. Com diversas franquias, o negócio é mais facilmente reconhecido, vende com maior intensidade e consegue se destacar com facilidade.

Além disso, é possível ampliar o faturamento e a lucratividade, que também é ajudada pelo recebimento dos royalties e taxas específicas. Com a formatação, portanto, é viável expandir negócio através de franquias e consolidar resultados muito melhores.

Aumenta a segurança de transição

Por mais atraente que seja se tornar maior e proeminente no mercado, essa tarefa não é fácil. Crescer, por si só, já é algo que exige muito planejamento e preparação ampliada. Quando tudo está associado à conversão para a franquia, é especialmente importante contar com um bom nível de robustez.

Nesse sentido, a formatação é indispensável para trazer maior segurança à etapa. Com muita visibilidade sobre o negócio e alinhamento de expectativas, acontece de maneira natural e orientada.

Isso é muito relevante porque o que conduz muitas franquias ao fracasso é a falta de apoio e de estruturação. E, se os franqueados não tiverem bons resultados, a sua marca também não terá. Com uma transição suave e adequada, toda a rede sai ganhando.

Garante cumprimento de regras obrigatórias

Em 2019, foi revista a lei nº 16966 (criada em 1994) ou lei de franquia. Essa disciplina legal é a principal responsável pela regulamentação do franchising no Brasil. Ela é o elemento que estabelece quais são as obrigações e direitos de franqueadores e franqueados, além de determinar quais são as características exigidas para a regulamentação.

Quando a formatação de franquias é executada corretamente, há um processo importante quanto ao reconhecimento de todas as questões obrigatórias. Na parte de dispositivos legais, há a garantia de que tudo será cumprido conforme o esperado.

Ou seja, executar o processo é um jeito de visualizar e aplicar o que é preciso para se tornar uma franquia de maneira regular. Sem problemas com a lei, não há riscos de multas ou suspensões da atuação.

Ajuda a captação de investidores

Acima de tudo, a formatação é crucial para trazer visibilidade ao empreendimento. Graças ao processo, é possível ter uma ideia clara de quais são os pontos fortes, como os processos são executados e o que precisa ser levado em conta sobre esse tema.

Por causa disso, há maior segurança para as pessoas que decidem investir no negócio. A decisão, por exemplo, fica simples, já que há todos os elementos necessários para fazer uma boa escolha.

Quando a franquia é formatada, é mais fácil captar investidores e fazer com que os objetivos sejam atingidos. A comunicação também é transparente e os resultados são diferenciados.

Amplia a atratividade do empreendimento

Se há mais pessoas dispostas a investir na franquia, ela se torna muito atrativa — inclusive, para os clientes finais. É fácil, por exemplo, aumentar a venda de franquias quando tudo é bem estruturado. Isso significa maior expansão e fortalecimento da marca, o que gera melhores efeitos para todos os franqueados.

Também é um jeito de fortalecer o posicionamento no mercado, o que gera confiança ampliada. Com isso, a marca se torna conhecida e a franquia é muito mais atraente para quem deseja fazer aplicações financeiras.

Inclusive, o grande poder de direcionamento da formatação permite a criação de uma master franquia, por exemplo. Por meio dela, é possível conseguir vendas de maneira “terceirizada”, o que ajuda a tornar o negócio escalável.

Oferece apoio à tomada de decisão

Acima de tudo, a formatação oferece um ativo de valor imensurável: a informação. Com o resultado do processo, é possível identificar quais são as principais qualidades e os maiores pontos de atenção do negócio. Assim, há como agir para torná-lo mais robusto e preparado para a transição.

Além disso, ele contribui para diminuir os erros das franquias. Uma tomada de decisão certeira economiza recursos como tempo e dinheiro e evita a necessidade de retrabalhos e desperdícios. Como consequência, tanto a empresa quanto a rede ganham e conseguem se consolidar.

Quanto custa uma formatação de franquia?

Formatar o seu negócio para convertê-lo em uma franquia não é um processo imediato. É preciso passar por diversas etapas, que vão desde o diagnóstico inicial até as mudanças que surgem na sequência.

Tudo isso leva à necessidade de investir para poder crescer. É por isso, inclusive, que fazer a formatação de franquia não é o caminho ideal se o empreendimento está com dificuldades financeiras graves. Esse é um processo que custa dinheiro e que, portanto, deve ser executado diante de uma situação favorável.

Para definir os custos, é preciso considerar algumas questões. Veja!

Considere o tamanho da sua empresa

Quanto maior for o seu negócio e quanto mais processos ele tiver, normalmente maior é o custo para fazer a formatação. Isso porque ele envolverá uma grande quantidade de ações e de decisões que devem ser tomadas.

Isso é especialmente positivo para empresas de pequeno e médio porte. Embora seja preciso ter um capital destacável, ele provavelmente será bem menor que o necessário para uma grande líder de mercado, por exemplo.

Avalie o índice de franqueabilidade

Outro ponto é o nível de franqueabilidade que o empreendimento tem. Quanto mais “franqueável” ele for, menor é a necessidade de realizar modificações para concluir a transição, certo? Por outro lado, um índice médio-baixo significa que é preciso investir em padronizar processos, mudar etapas e preparar o estabelecimento para a mudança de atuação.

Ou seja, quanto maior for o nível de “problemas”, mais custos serão gerados. Por causa disso, inclusive, muitas empresas consideram o processo inviável, quando, na verdade, a formatação é que não foi concluída corretamente.

Contrate uma consultoria de franquias

Paralelamente à formatação de franquias, o negócio não para. É preciso dar atenção aos clientes, cuidar dos processos e medir os resultados. Parece difícil dar conta de tudo ao mesmo tempo, não é?

Para completar, a falta de experiência e de visão clara sobre o processo podem comprometer a etapa. Para que isso não seja um problema, o recomendado é contar com uma consultoria especializada no assunto.

Com a experiência e com os conhecimentos certos, a empresa oferecerá todo o know-how para que o seu negócio se transforme em franquia. Na hora de pensar quanto custa fazer a etapa, portanto, vale a pena considerar essa contratação como uma peça-chave para alcançar o êxito.

Consultoria de confiança

Pense nos custos de não realizar a formatação

Em vez de pensar nas despesas associadas à formatação, reflita sobre os custos de não a fazer. Sim, você pode expandir o negócio por conta própria, mas provavelmente isso vai lhe custar muito mais caro do que parece.

Os erros, as perdas de oportunidades e as dificuldades encontradas gerarão gastos muito maiores. Portanto, em vez de seguir de maneira independente é interessante provisionar recursos e realizar o investimento.

Não se pode definir um valor único ou valor médio que abarque todas as empresas, então a formatação tem que ser ajuizada individualmente, a fim de que você saiba se ela se encaixa nas possibilidades do negócio.

Quais as principais etapas do processo de formatação de franquias?

Depois de descobrir como funciona a formatação de franquias, é fundamental entender, a fundo, como tudo é executado. Com tal compreensão, será mais simples reconhecer a importância do processo e, principalmente, planejar-se corretamente para ele.

Apesar de cada empreendimento ter as suas necessidades, existem quatro pilares da formatação. Confira!

Plano de negócios

Para uma empresa dar certo, ela tem que contar com um plano de negócios robusto e com as informações certas, não é? Para criar uma franqueadora de sucesso é a mesma coisa. A partir da realização do diagnóstico e das mudanças que se mostrem necessários, a formatação segue para a elaboração de um planejamento adequado.

São definidas questões como:

  • modelo de atuação;
  • estratégias de sucesso e crescimento;
  • perfil do franqueado;
  • análise de potencial de crescimento;
  • verificação de viabilidade financeira;
  • definição de condições diversas.

Ou seja, é nesse plano em que são definidos elementos como quem é o franqueado ideal, como o empreendimento deve agir e o que será feito. Trata-se de uma forma de estabelecer se haverá somente uma franquia por área ou se existe um limite mínimo a ser respeitado, por exemplo.

Processos e estratégias

Na sequência, é o momento de definir como o negócio vai funcionar, de maneira ampla. É nessa etapa que são definidas questões como a implantação da unidade, as abordagens de operação e gestão e como será feita a realização do marketing e das vendas.

Nesse momento, são apresentados os processos e tudo o que será executado dentro do empreendimento. A ideia ainda não é padronizar a maneira de atuação, mas, sim, demonstrar tudo o que será necessário para garantir a integração à rede.

O elemento é relevante para que os futuros franqueados não fiquem sem a necessária transmissão de know-how, que é uma das coisas vendidas junto com a franquia. Ou seja, quem comprar franquia precisa receber, em troca, parte do conhecimento do seu negócio para que tudo seja adequado.

Instrumentos jurídicos

Já do ponto de vista jurídico, é preciso pensar nos aspectos previstos por lei e que garantem a total regularidade.

A partir da definição de o que deve ser feito e de um plano de negócios, é possível criar a Circular de Oferta de Franquia (COF). Esse é um dos documentos mais importantes na relação de franchising e contém todos os direitos e deveres de ambas as partes.

Também é o momento de estabelecer o contrato de franquias e os outros instrumentos jurídicos. Entre eles, estão a apresentação de balanços, situação da marca, custo de aquisição da franquia, regras e punições aplicáveis. Tudo precisa estar claro e o contrato só pode ser assinado 10 dias após o recebimento da COF.

Manual de franquia

Uma das maiores qualidades de uma rede franqueada é a padronização. É essa característica que garante a consistência de atuação, bem como o alinhamento rumo ao sucesso. Para garantir que isso seja possível, a formatação também dá origem a manuais de franquia. Eles servem para estabelecer como determinadas atividades devem ser executadas.

Eles estabelecem, por exemplo, como são realizados os treinamentos, quais processos precisam ser executados, como os produtos devem ser feitos e vendidos, como a gestão tem que acontecer e assim por diante.

Todas as questões relevantes são determinadas pela franqueadora, que define desde a identidade visual e o modelo de negócio até a maneira de operação. Com isso, há maior segurança para ambos os lados.

A formatação de franquias é crucial para o empreendimento se expandir com segurança. Ao final dessa etapa, há um modelo consolidado que pode ser replicado e que dispõe de excelente potencial.

Para criar uma rede de franquias de sucesso, conte com a ajuda dos nossos especialistas, entre em contato agora mesmo!

Posts relacionados

Deixe um comentário